Desafios da austeridade econômica: Brasil abaixo Michel Temer

November 1, 2016

O mundo todo assistiu quando a presidenta Dilma Rousseff foi oficialmente afastada do governo brasileiro no dia 31 de agosto. O ex-vice presidente Michel Temer agirá como o presidente até as novas eleições em outubro de 2018. Ele terá muitos desafios macroeconômicos para resolver, incluindo quase 12 milhões de brasileiros desempregados, uma economia que encolheu 3,8% no segundo trimestre de 2016 e a inflação chegando aos 10% (“Time for Temer”, 2016). Quais são os desafios principais que Temer vai confrontar, e o que ele está fazendo?

Um assunto de grande importância é o desemprego. Geralmente, para combater o desemprego e mantê-lo em um nível aceitável, o governo tem que incentivar a economía para que volte a crescer. Para render frutos, a nova gestão precisará estimular trabalho no setor privado e “terá de reformar marcos regulatórios ultrapassados, aumentar a confiança do investidor, diminuir a burocracia e melhorar o ambiente de negócios” (Gama, Beck,& Iglesias, 2016). Tudo isso desenvolverá mais empregos, mais investimento para projetos e menos atrasos em conectar brasileiros desempregados com oportunidades econômicas.

Outro aspecto é o equilíbrio dos gastos e impostos governamentais. Técnicos da área econômica e analistas são unânimes em dizer que um novo governo precisa mostrar que o Brasil voltará a ser capaz de gastar menos do que arrecada e de reduzir a dívida pública (Gama, Beck,& Iglesias, 2016). Ou seja, o governo precisa emprestar menos dinheiro para pagar as suas dívidas e assegurar os investidores estrangeiros que têm medo de perder investimentos no Brasil sem imprimir mais notas que provaria mais inflação. Este problema é algo que o Brasil superou no passado, notavelmente no ano 1994 baixo o “Plano Real” do presidente futuro Fernando Henrique Cardoso (J.P., 2014).

O terceiro assunto é as taxas de impostos recolhidos. Por causa das altas dívidas públicas, é necessário arrecadar mais impostos, e isso poderia sugerir o retorno da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), que vigorou no país entre 1997 e 2007 e era conhecido como ‘imposto do cheque’ (Schreiber, M. 2016). Então, muitas pessoas terão que pagar mais de impostos para fornecer fundos pelas dívidas e para sustentar o programa Bolsa Família. Esse programa é fundado na receita pública e apoia muitas famílias de renda baixa, promovendo a educação das crianças delas (“Bolsa Família: Changing the Lives of Millions in Brazil”).

Em qualquer situação de austeridade, significa um desafio muito grande do governo atual, o qual tem que diminuir os gastos governamentais para balançar o orçamento nacional. Esta ação agirá a limitar os programas sociais e os benefícios (subsídios, restituição de impostos, etc.) que empresas recebem do governo. Há muitas organizações e indivíduos que não ficarão contentes em perder o apoio do governo, enquanto este passa por uma fase implementação de medidas de austeridade.

Pensando nos obstáculos que o Brasil tem que superar, o que está fazendo o novo governo? No dia 14 de setembro, Presidente Temer anunciou uma nova iniciativa que se chama “Crescer”, que pretende aumentar investimento privado no país para resolver o déficit orçamentário (BBC News, 2016). Essa iniciativa envolve 25 projetos , que “vão resultar em 34 leilões de concessões...em rodovia, ferrovias, terminais portuários, mineração” e outras áreas Através desta iniciativa, o governo pretende atrair investimento direto (estrangeiro) e criar oportunidades de emprego enquanto menos obras serão feitas pelo governo (Amora, Haubert, & Wiziak, 2016).

Então, o Presidente Temer está iniciando reformas na sua gestão para melhorar a economia no Brasil. Ele também participou da cúpula G20, em que ele fortaleceu a amizade com a China e seus líderes, e além disso estabeleceu 9 projetos de investimento chinês no Brasil (“Strong support for Temer and his government from China”, 2016). Contudo, a taxa de aprovação de Temer é menos de 20% e as políticas que seu governo tem que cumprir não vão ser agradáveis para muitos brasileiros (“Time for Temer”, 2016). Com as frustrações do povo a respeito dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, ele está numa posição de alta pressão.

Todo mundo vai estar observando as medidas do governo de Temer nesses próximos dois anos, e espera-se que a economia melhore para o Brasil deixar atrás esta época turbulenta.


Referências

Time for Temer. (2016). Retrieved October 12, 2016, from http://www.economist.com/news/americas/21706322-new-president-takes-over-country-crisis-time-temer?zid=305

Gama, J., Beck, M., & Iglesias, S. (2016). Os desafios de Temer. Retrieved October 12, 2016, from http://oglobo.globo.com/brasil/os-desafios-de-temer-19256946#ixzz4K3fxX0xR

J.P. (2014). The Real Plan: The echoes of 1994. Retrieved October 12, 2016, from http://www.economist.com/blogs/americasview/2014/07/real-plan

Schreiber, M. (2016, January 4). Os prós e contras da CPMF, aposta do governo contra o deficit em 2016. Retrieved October 12, 2016, from http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/151228_cpmf_pros_contras_ms_rs

Bolsa Família: Changing the Lives of Millions in Brazil. (n.d.). Retrieved October 12, 2016, from http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/NEWS/0,,contentMDK:21447054~pagePK:64257043~piPK:437376~theSitePK:4607,00.html

BBC News. (2016, September 14). Brazil launches rescue plan to fix economy. Retrieved October 12, 2016, from http://www.bbc.com/news/business-37357657

Amora, D., Haubert, M., & Wiziak, J. (2016, September 13). Temer anuncia concessões e privatizações para 2017 e 2018. Retrieved October 13, 2016, from http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/09/1812830-temer-anuncia-concessoes-e-privatizacoes-para-2017-e-2018.shtml

Strong support for Temer and his government from China. (2016, September 2). Retrieved October 12, 2016, from http://en.mercopress.com/2016/09/02/strong-support-for-temer-and-his-government-from-china

 
 

About Author(s)

Daniel Snyder
Daniel Snyder is a senior at the University of Pittsburgh working as a Panoramas intern. He is studying Economics and Spanish, as well as earning a minor in Portuguese and a certificate in Latin American studies. During the summer of 2016 he conducted research in Fortaleza, Brazil through the CLAS Field Trip and also studied abroad in Lima, Peru.